Dicas Naturais, Remédios Caseiros

Receita Natural

Receita Natural

Plantas e Ervas ajudando em sua Saúde

Pesquisar

Prisão de ventre em bebes: é preocupante?

Desvendar o que um bebê está sentindo não é uma tarefa nada fácil, mesmo pras mamãe que já passaram por isso mais de uma vez. Cada criança é de um jeito e vai reagir de uma forma diferente às sensações dela e, cabe a mãe saber interpretar e decifrar quando algo está errado.

Hoje vamos falar um pouco sobre a prisão de ventre nos pequenos, como saber se esse é o problema do seu filho e como ajuda-lo. É sempre bom ressaltar que nenhuma informação que será apresentada aqui substitui a visita ao seu pediatra, principalmente em bebês muito jovens que apresentarem esse sintoma com frequência.

Como Identificar a Prisão de Ventre

Como foi dito anteriormente, cabe aos pais observar o comportamento da criança e entender pelo o que ela está passando, mas alguns padrões de comportamento podem ajudar nesse momento. Por exemplo, fazer caretas e demonstrar uma força muito desproporcional na hora de fazer cocô é normal. Com isso você irá aprender a identificar quando a criança está defecando ou quando está com dificuldades.

Mais importante do que a quantidade de dias sem fazer cocô, o aspecto das fezes do seu filho também deverá te fornecer essa informação. Elas não devem ser duras e secas, nem promover um desconforto incomum à criança. Se as fezes do seu filho estiverem com aspecto de bolinhas, saiba que esse é um indicio importante de que seu filho está com prisão de ventre.

É comum, também, que ao começar a oferecer novos alimentos para seu bebê, algumas crianças apresentem o sintoma. Esse desconforto irá trazer algumas mudanças no comportamento do pequeno que também são usadas para facilitar a identificação do problema, veja alguns desses indícios:

  • Irritabilidade;
  • Abdome duro;
  • Gases;
  • Dor de barriga;
  • Sangue nas fezes;
  • Cocô duro para crianças muito pequenas.

Prováveis Causas

bebes

A Prisão de Ventre pode ocorrer por diversas causas. Veja abaixo:

desidratação, assim como nos adultos, pode ser a causa principal da prisão de ventre. Por isso tenha certeza que seu filho está ingerindo a quantidade de água ideal e aumente o consumo de líquidos dele. Caso seu bebê ainda esteja na fase de só mamar no peito, cuide da sua ingestão de água. Nesse caso garanta que a sua ingestão de líquido está dentro dos parâmetros recomendáveis.

Iniciar a alimentação com novos alimentos também pode ser um motivo do aparecimento da prisão de ventre. Um dos alimentos que mais geram esse sintoma são os mingaus de arroz comumente usados pelas mamães, por apresentar um baixo teor de fibras em sua composição.

O ideal mesmo é que a transição entre o peito e outras fontes de alimento seja feita com ajuda do seu pediatra ou nutricionista. Ele poderá te ensinar a escolher alimentos mais ricos em fibras e aprender a identificar essas comidas que podem gerar efeitos indesejáveis ao seu filho.

Para as crianças um pouco mais velhas é importante ficar atento a possibilidade dos pequenos estarem segurando o cocô. A chamada Auto-obstipação Infantil costuma acontecer quando a criança liga o ato de fazer cocô com algo ruim. Seja por se sentir constrangida, ou por ter sentido dor em algum momento.

Situações assim são muito comuns e devem ser cuidadas conversando com a criança e mostrando à ela que se trata se um ato natural, necessário e que não deve ser ligado a momentos de dores e constrangimentos. Nessa situação o pediatra também pode ser um aliado, até mesmo receitando laxantes leves ou te ajudando a construir uma alimentação mais leve e laxativa.

O último motivo possível é uma doença intestinal, nesse caso o diagnóstico e o tratamento todo deve ser feito pelo seu pediatra. Essa é uma possibilidade mais grave e que merece toda a atenção dos pais e responsáveis pela criança.

Em todas as possibilidades citadas acima, uma alimentação saudável e a ingestão de muito líquido, principalmente água, ajuda no tratamento. Porém é importante não brincar com a saúde dos pequenos por ainda serem muito sensíveis ás possíveis doenças, portanto mantenha um acompanhamento médico próximo e siga as orientações do seu pediatra.

Receitas e Naturais em seu email